A importância da fabricação digital

Depoimento de Ana Luisa Martins sobre sua experiência com a rede Fab Lab LIVRE SP

Conheci o mundo da Fabricação Digital durante o começo do ano passado enquanto buscava um sistema construtivo para a edificação do meu TFG da faculdade, um abrigo emergencial, e quanto mais pesquisava sobre o assunto mais fascinada e interessada ficava.

Me aprofundei bastante na teoria das tecnologias CAD (Desenho Assistido por Computador) e CAM (Manufatura Auxiliada por Computador), que estão cada vez mais presentes não só na construção civil, mas em diversas áreas como design, indústria automobilística, naval, aeronáutica, entre outras. O computador revolucionou e mudou tudo, atualmente com a evolução das tecnologias, as máquinas controladas por computador, como a fresadora CNC, a máquina de corte a laser e a impressora 3D, que são as chamadas tecnologias CAM, se tornaram mais acessíveis financeiramente a faculdades e programas públicos como o Fab Lab LIVRE SP.

Encontrei a rede Fab Lab LIVRE SP por acaso enquanto procurava um local para realizar os protótipos do meu projeto, entrei no site, vi os cursos, fiz a inscrição para um, fui ao Fab Lab Penha, e após um curso acabei fazendo todos os outros que a unidade oferecia.

Os cursos do fab lab me ajudaram a realmente entender os conceitos que eu havia estudado apenas na teoria, e devido à possibilidade de realizar protótipos pude prever erros na arquitetura do abrigo que estava projetando, erros que eram possíveis de ver em um modelo físico, mas não em um digital.

Frequento os fab labs até hoje, mesmo após o término do meu trabalho, e já fui em outros da rede além da Penha como: Itaquera, Centro Cultural SP e Olido, que foram os mais acessíveis por estarem mais perto de estações de metrô e localizados na região centro-leste.

A proposta da rede Fab Lab LIVRE SP é revolucionária em vários aspectos, gosto principalmente do aspecto de serem locais para fabricação de ideias, lugares de estímulo ao conhecimento de tecnologias e ferramentas novas. Eu mesma nunca tinha tido contato com eletrônica ou placas de programação, mas vendo o arduino, os objetos feitos com ele, acabei me interessando, e por isso realizei os cursos sobre o mesmo e minha curiosidade só cresce em relação à área, pois consigo ver como ela pode se interligar com as outras tecnologias do fab lab e até mesmo fora. É esse mundo de possibilidades que se abre que faz as pessoas voltarem, elogiarem e trazerem suas próprias ideias e transformarem em projetos.

Outro aspecto importante da rede de fab labs é sua dispersão pela cidade de São Paulo, estando presente em todas as regiões, tornando o contato com eles possível e mais frequente. Ao contrário da maioria dos equipamentos públicos (museus, centros culturais, ..) que fica concentrada no centro, o que faz com que pessoas de zonas mais afastadas não consigam ter acesso, devido à falta de tempo, ou conhecimento do que são determinados equipamentos, o que fazem, etc.

Sequência de 3 fotos que mostram uma mini jardineira em formato de bubassauro na cor laranja. A foto do meio mostra a impressora 3D imprimindo o bubassauro em plástico PLA. Sequência de 3 fotos que mostram um gaveteiro com duas gavetas feito em mdf e acrílico. A primeira foto mostra o gaveteiro fechado e as outras fotos mostram o gaveteiro aberto. Sequência de 3 fotos que mostram dois ângulos de visão do modelo de abrigo emergencial. O modelo é feito em mdf num formato retangular e com apoios para uma cobertura curva com suporte em madeira. A foto do meio mostra a máquina de corte a laser fazendo os cortes numa peça única de mdf. Sequência de três imagens dos quadros de acrílico preto em formato retangular. As fotos mostram os quadros com cartas de baralho no espaço interno. Cada um dos dois quadros encaixa no outro como peças de quebra-cabeça.

Nas imagens se encontram alguns dos projetos que fiz durante algumas oficinas e também por agendamento prévio, então, apesar de ter procurado o fab lab por uma questão acadêmica, depois de conhecer as máquinas desengavetei alguns outros projetos que não tinham relação com a faculdade.

Uma questão interessante que observei nos cursos que fiz foi a diversidade de pessoas que procuram os cursos dos fab labs. São pessoas de todas as idades e profissões, entretanto todas tem visões de como podem utilizar as máquinas para realizar algum projeto pessoal, ou quem vai só por curiosidade no final já pensa no que poderia realizar depois. Então, são ferramentas que estimulam a criatividade em diferentes níveis, desde a modelagem, até a escolha de material e montagem.

Adoro a possibilidade que a rede cria de compartilhar o que aprendi e continuo aprendendo sobre esse mundo da Fabricação Digital, e até inspirar outras pessoas para que se tornem entusiastas criativas, assim como eu acabei me tornando ao entrar em contato com as tecnologias presentes nos fab labs.

Ana Luisa Martins

Cultura Maker em debate

Em junho, os Fab Labs Livres SP estarão em pauta no Centro de Pesquisa e Formação do Sesc São Paulo. Serão dois encontros sobre a Cultura Maker, em que se debaterá sobre novas práticas de criação e de produção, a concepção da Cultura Maker e suas reverberações sociais. Leia mais

ITS BRASIL participa da 10ª edição da Campus Party Brasil

O Instituto de Tecnologia Social – ITS BRASIL, esteve presente na 10ª edição da Campus Party Brasil, realizada entre os dias 31 de janeiro e 4 de fevereiro no Pavilhão de Eventos do Anhembi, em São Paulo. Entidade gestora da Rede Pública de Laboratórios de Fabricação Digital da Prefeitura de São Paulo (Fab Lab Livre SP), o ITS BRASIL contou com espaço reservado para apresentar ao público o trabalho realizado nas 12 unidades do Fab Lab Livre SP. Localizado na Open Campus (área aberta ao público e gratuita), o espaço contou com agenda de oficinas, workshops e atividades abrangendo a temática maker, como moldagem em silicone, práticas em eletrônica, programação etc. Também estavam ali expostas peças fabricadas nos laboratórios da rede e algumas máquinas que no dia a dia ficam disponíveis para uso da população em todas as unidades.
A equipe do ITS BRASIL também esteve atenta às atividades ocorridas na área interna da Arena Campus Party, restrita aos campuseiros, onde ocorreram grande parte das palestras, painéis e oficinas do evento. Historicamente comprometido com o fomento da cultura de Ciência, Tecnologia e Inovação voltados à cidadania e à inclusão social, o ITS BRASIL buscou prioritariamente os espaços de debate em que se discutiu as temáticas da internet das coisas e cidades inteligentes, amplamente apontadas como áreas tecnológicas de vanguarda que influenciarão crescentemente toda a oferta de produtos e serviços nos próximos anos, sendo assim primordiais para compreender os caminhos e alternativas para o desenvolvimento social de nosso país.

Em sua definição mais simples, a internet das coisas (IoT, do inglês “Internet of Things) pode ser entendida como uma conexão em rede, de pessoas, dados, processos e coisas. Esta possibilidade de conectividade total já vem movimentando milhares de ideias e um enorme volume de recursos financeiros que abrem a perspectiva de realizar a automação de tarefas de uma forma, até então, apenas vista em filmes de ficção. Luis Gomez Gonzalez, especialista em Pesquisa e Desenvolvimento do Konker Lab, no workshop “Hardware Open Source e a prototipação de IoT de baixo custo”, focou em apresentar perspectivas e possibilidades de desenvolvimento de programas com microcontroladores apropriados para projetos de IoT, disponíveis no mercado a médio e baixo custo. Adicionalmente, apresentou a plataforma desenvolvida pela sua companhia para compartilhamento de códigos de programação de arduino, o que vai ao encontro da proposta de reforçar a possibilidade de desenvolvimento de programas úteis para o cotidiano e uso pessoal a partir de pouco tempo de trabalho e conhecimentos mais simples (ou mesmo com o emprego de softwares já desenvolvidos). Além da preocupação com as oportunidades vislumbradas a partir da IoT, o evento também abordou os riscos eminentes a um mundo quase que 100% conectado. A palestra apresentada por Alex Sandro Silva, pós graduando em Cibersegurança e Perícia Forense, enunciou uma série de ataques mais comuns às redes e que se amplificam diante do aumento de dispositivos conectados pela IoT, além dos mecanismos de defesa mais eficientes, e o estado da arte do desenvolvimento de novas soluções. Vale lembrar que o tema da internet das coisas está na ordem do dia da discussão nacional, já que está previsto para o final do mês de fevereiro o lançamento das bases do Plano Nacional de Internet das Coisas, elaborado a partir de estudos comandados pelo BNDES e resultados da consulta pública realizada entre os últimos meses de dezembro e janeiro (a qual contou com a participação do ITS BRASIL).

A disponibilidade de tamanhas opções de conectividade e automação também conduz ao debate de como os serviços de uso coletivo e as estruturas urbanas irão incorporar estas tecnologias e como se dará sua difusão e apropriação. Visando contemplar este debate a Campus Party promoveu o Fórum Cidades Inteligentes aberto pelo presidente do Instituto Campus Party, Francesco Farruggia, que ressaltou a importância em defender a implementação tecnológica voltada ao beneficiamento das cidades, ou seja, a tecnologia e a geração de dados e conhecimento sob o controle da população e não restrita a empresas que já dispõem de tecnologia e a ofertam ao poder público. A Rede Brasileira de Cidades Inteligentes, criada em 2013 no âmbito da Frente Nacional de Prefeitos, também esteve presente, representada pelo seu presidente, André Gomyde, e realizou o lançamento de um conjunto de indicadores de Cidades Inteligentes. Dividida em quatro eixos, visa orientar os municípios na elaboração e implementação de políticas nesta área. Outras autoridades como secretários municipais, vereadores e congressistas ligados ao debate na Frente Parlamentar de Cidades Inteligentes também expuseram alguns pontos, relacionados a ações já tomadas em suas cidades, assim como acerca da preocupação em relação a proteção dos dados gerados, como apontado na fala do deputado Paulo Teixeira, ao resgatar o debate do Marco Civil da Internet, o uso livre da internet e as falhas que nossa legislação ainda apresenta, sugerindo a necessidade de realizar esta discussão de forma ampla e pública.

As experiências e perspectivas levantadas nestas atividades da Campus Party evidenciam a dimensão das mudanças que estão em curso e a relevância da promoção do empoderamento tecnológico (tanto em termos técnicos como na apropriação de seus frutos), se configurando enquanto fator definidor da redução ou ampliação da desigualdade social. O ITS BRASIL, seja por meio da rede Fab Lab Livre SP, ou de outros projetos, se insere nesta questão visando promover acesso e democratização da tecnologia e de seus efeitos positivos sobre o conjunto da sociedade.

Ana Carolina Nicolay
Marcelo Lima
Pedro Henrique Alcântara

Fab Lab público e participação comunitária

No bairro de Heliópolis, Zona Sul de São Paulo, o projeto Fab Lab Livre SP vem propondo, em parceria com a comunidade, o desenvolvimento de projetos que procuram impactar positivamente o cotidiano de todos. Um exemplo é o projeto intitulado Espaço Zen, que vem sendo desenvolvido há alguns meses no cotidiano do laboratório.

A proposta de Espaço Zen está sendo projetada e construída de maneira coletiva e colaborativa entre coordenadores do CEU Heliópolis, lideranças e moradores do bairro, além da equipe do Fab Lab Livre SP. O projeto visa criar um espaço de convivência e lazer que possa ser usado por todos, valorizando o convívio e o espaço do CEU Heliópolis já desde a etapa de construção, com as novas relações criadas neste processo.

Conheça mais sobre o projeto no blog do Fab Lab Livre SP:
fablablivresp.art.br/unidades/ceu-heliopolis/blog/fab-lab-publico-e-participacao-comunitaria

Galera do “Estúdio E” visita Espaço São Luís

No dia 15 de setembro, o Espaço São Luís recebeu a galera do Estúdio E, que participou de uma sensibilização sobre o projeto do Fab Lab Livre SP no laboratório do Espaço São Luís.

Leia Mais no blog do Fab Lab Livre SP:
http://fablablivresp.art.br/unidades/espaco-sao-luis/blog/galera-do-estudio-e-visita-espaco-sao-luis