Uma nova cadeira de rodas para Angélica

Maria Angélica, que tem deficiência física, foi inserida no mercado de trabalho pelo PRONAS/PcD em setembro de 2017. Ela foi contratada pela Empresário Cobrança e Gestão de Risco Ltda. como Operadora de telemarketing. Por meio da metodologia do Emprego Apoiado ela conseguiu enfim um trabalho, pois, na maioria das empresas não havia a acessibilidade arquitetônica necessária, uma vez que Maria Angélica é usuária de cadeira de rodas.

No último natal, foi surpreendida pelos companheiros de trabalho ao receber de presente uma nova cadeira de rodas. A sua havia quebrado no início de dezembro, o que a impediu de trabalhar por alguns dias, deixando-a muito incomodada em se ausentar do trabalho.

A Técnica de Emprego Apoiado Léa Mara, que acompanhou Maria Angélica em todo processo, escreveu um depoimento emocionante abaixo:

“Em Dezembro de 2017 Angélica precisou se ausentar do trabalho porque sua cadeira de rodas quebrou, impossibilitando sua locomoção.

Esta notícia mobilizou toda equipe de trabalho na empresa. Os colegas decidiram se unir com boa vontade, pesquisaram o preço e tipos de cadeiras de rodas, reuniram entre os colaboradores o valor e compraram uma cadeira nova sem a Angélica saber. Com a Surpresa pronta, a empresa cedeu um carro para buscar Angélica em sua residência para ir trabalhar. Chegando no trabalho, foi recebida pelo “Papai Noel” com uma cadeira de rodas novinha e linda – como ela mesma disse. Seus irmãos e sua mãe ficaram muito gratos com este gesto da equipe da empresa e a Angélica, ah, ela ficou tão tão feliz, agradeceu tanto, abençoou todo mundo e segue feliz seu caminho, sua vida, seu desenvolvimento profissional, sobre rodas novinhas numa cadeira super confortável. Querem saber? A Angélica vai aonde ela quiser. E sempre sorrindo!!!

Sucesso sempre para você Angélica, continue nos ensinando que a vida vale muito a pena.

Obrigada querida.”

Léa Mara do Nascimento

Veja as fotos:

Artia V. – Interface Assistiva

Compartilhamos com todos um importante projeto de tecnologia assistiva que está precisando de apoio para seu desenvolvimento, divulgação e expansão. O projeto da interface Artia V está em desenvolvimento na UNESP desde 2015, dentro do grupo GIIP e agora está com uma campanha de financiamento coletivo aberta.

Esse financiamento é para o projeto como um todo, porém o foco inicial será na produção de um espetáculo de dança.Para exemplificar como a interface funciona, realizarão na UNESP um espetáculo de dança, inédito, com duas pessoas com severa incapacidade de movimentos e de fala, dois bailarinos e um artista performático. No espetáculo serão utilizadas as interfaces assistivas que levarão à exposição, entre elas a ARTIA.V

Para apoiar, é só acessar este link: http://www.juntos.com.vc/pt/arteolhos

A interface, aliada às novas tecnologias, auxilia pessoas com severas limitações corporais a se expressarem mais facilmente. Pessoas que não possuem movimentos e nem capacidade de fala poderão fazer e ensinar artes com os olhos (plásticas: de desenho à escultura; cênicas: teatro dança e performance; e musicais: trilhas e composição em tempo real e música experimental).
Além de ser uma importante tecnologia por seu viés inclusivo, é uma tecnologia desenvolvida com o propósito da apropriação e reaplicação. O grupo pretende em breve poder distribuir modelos e aplicar workshops para ensinar associações assistenciais e familiares a construir iguais.

Conheça mais sobre este projeto:
Facebook – https://www.facebook.com/fazendoartecomosolhos
Site – http://giip-interfaces.wixsite.com/home

Audiogames: jogos acessíveis para pessoas com deficiência visual

A área de jogos, diversão e educação virtual também deve ser acessível e promover a inclusão. Acreditamos numa sociedade inclusiva de maneira global e em tecnologias que permitam as mesmas condições de vida a todos.

Compartilhamos aqui a notícia do CTA (Centro Tecnológico de Acessibilidade), o setor responsável por propor, orientar e executar ações de extensão, pesquisa e desenvolvimento em acessibilidade arquitetônica, instrumental, comunicacional, programática, metodológica, atitudinal e recursos de tecnologia assistiva no IFRS (Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul).

“Há muito para ser desenvolvido ainda no campo dos jogos com acessibilidade, ficando a critério de cada desenvolvedor explorar sua criatividade para trazer novidades aos jogadores com deficiência visual. Um dos desafios para os desenvolvedores é construir jogos que ofereçam tanto interfaces gráficas atraentes quanto recursos sonoros suficientes, permitindo, assim, que pessoas com e sem deficiência visual possam jogar juntas.

A equipe do CTA desenvolveu alguns jogos acessíveis, pensando em atender às diferentes necessidades dos usuários. Um deles é o jogo “As Aventuras de Joca Valente”, que consiste em um simulador para auxiliar na reabilitação de pessoas com deficiência visual. ”

Veja a notícia completa:
http://cta.ifrs.edu.br/noticias/visualizar/126

Prótese auxilia a retomada de movimentos após hemicorporectomia

Após procedimento cirúrgico de retirada de 40% de seu corpo, Renildo inicia a retomada de sua autonomia com movimentação por próteses. Ele hoje tem 1,14m e a meta é chegar a 1,60 ao final do ano com a extensão da prótese e retomar sua independência.

A tecnologia assistiva, que abarca tecnologias como a prótese de Renildo, tem papel fundamental na garantia à pessoa com deficiência de maior independência, qualidade de vida e inclusão social, através da ampliação de sua comunicação, mobilidade, controle de seu ambiente, habilidades de seu aprendizado, trabalho e integração com a família, amigos e sociedade.

A definição da TA que utilizamos no Brasil é a seguinte:
“Tecnologia Assistiva é uma área do conhecimento, de característica interdisciplinar, que engloba produtos, recursos, metodologias, estratégias, práticas e serviços que objetivam promover a funcionalidade, relacionada à atividade e participação, de pessoas com deficiência, incapacidades ou mobilidade reduzida, visando sua autonomia, independência, qualidade de vida e inclusão social.” (Comitê de Ajudas Técnicas, Corde/SEDH/PR, 2007).

Veja mais da história de Renildo: http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2017/03/1865747-dj-passa-por-cirurgia-rara-retira-40-do-corpo-e-ja-testa-reabilitacao-inedita.shtml

Os utensílios acessíveis de Amélia

No Fab Lab CEU Três Pontes temos usuários que se destacam não só por suas criações, como também pelo seu engajamento em inspirar outras pessoas com ideias, projetos e atitudes. Entre essas pessoas, temos uma moradora do Jardim Romano que se chama Amélia.

Leia Mais no blog do Fab Lab Livre SP:
http://fablablivresp.art.br/unidades/ceu-tres-pontes/blog/os-utensilios-acessiveis-de-amelia​01

Huggies usa impressora 3D para ajudar gestantes com deficiência visual a “verem” seus bebês​.

por Amanda de Almeida da B9

Há alguns anos, as mamães mais ansiosas ganharam no ultrassom 3D um grande aliado para conseguirem visualizar a carinha de seus bebês ainda no útero, durante a gestação. Para as gestantes portadoras de deficiência visual, entretanto, tudo continuava igual e elas só conseguiriam conhecer o rosto de seus filhos após o nascimento.

Leia mais no link abaixo:
http://www.b9.com.br/57515/advertising/huggies-usa-impressora-3d-para-ajudar-gestantes-com-deficiencia-visual-a-verem-seus-bebes/