17 ANOS DE HISTÓRIA DO ITS BRASIL

O Instituto de Tecnologia Social – ITS BRASIL tem por finalidade promover a geração, o desenvolvimento e o aproveitamento de tecnologias voltadas para o interesse social. Com a visão de “Ser referência em tecnologia social através da construção e aplicação de soluções inovadoras para as necessidades do mundo atual”.

O ITS BRASIL foi instituído num contexto em que as demandas do novo milênio desafiavam a sociedade brasileira a construir um novo modelo de desenvolvimento para viabilizar a relação entre ciência, tecnologia, inovação e inclusão social. Desde então, em seus 17 anos de trajetória o Instituto foi protagonista em processos que colaboraram para o estabelecimento do conceito de tecnologia social e da tecnologia assistiva no Brasil, impulsionando projetos em sua prática pela articulação com governos e sociedade civil.

Ao longo dos anos já foram desenvolvidos 17 projetos, alguns de forma autônoma e outros em conjunto com os mais diversos parceiros, como Organizações da Sociedade Civil (OSCs), universidades, poder público e empresas. Foram ao menos 600 OSCs e diversos organismos governamentais, entre eles o Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), o Ministério de Desenvolvimento Social (MDS), o CNPQ, a Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), o Ministério da Educação e Cultura (MEC), a Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, o Centro de Gestão e Estudos Estratégicos (CGEE), secretarias municipais, prefeituras e o governo de São Paulo.

 

Imagem com fundo amarelo e escrito em azul: Atualmente - Fab Lab LIVRE SP e Emprego Apoiado. Histórico - Incubadora de empreendimentos solidários, Oficina Escola e Cooperativa de Costura, Pão Sol, Artes Nascentes, Desenvolvimento Local Participativo, Sistema de Análise de TS, Curso Direitos Humanos e Mediação de Conflitos, Curso sobre a Metodologia do Emprego Apoiado, Inclusão Produtiva, Instituto Sociedade População e Natureza, Fundipesca, Amavida, Ecoar, Banco Palmas, Revoluções, Tem um vidro sob minha pele.

Todos os projetos desenvolvidos cumprem a tarefa de gerar inovação voltada ao desenvolvimento social. O ITS BRASIL une o saber acadêmico e o saber popular, com a prática cotidiana, experiências inovadoras e consolidação de metodologias e processos que auxiliam na formulação de políticas pública. Produzindo e organizando conhecimento e informações qualificadas para resolver os problemas do dia a dia e da sociedade.

Em 2018, garantir a sustentabilidade financeira do ITS BRASIL é o grande desafio para dar continuidade aos projetos e manutenção ao Instituto. A expansão da cultura de doações no Brasil é uma realidade, e o ITS BRASIL recebe doações de pessoas físicas e  jurídicas (através da renúncia fiscal). A transparência na prestação de contas e gestão de recursos é fundamental nesse sentido, por isso é possível acessar no site os relatórios anuais com o balanço financeiro auditorado. Recentemente o ITS BRASIL recebeu o Selo Doar de Padrão de Gestão e Transparência do Terceiro Setor com conceito A.

O desejo da equipe ITS BRASIL é que o novo ano que começa hoje siga “irradiando conhecimento a todos, construindo pontes entre necessidades e soluções”!

 

Resultado Publicado – Edital de seleção de Recursos Humanos nº 001/2018

Publicamos hoje, 26 de junho de 2018, os Resultados do Processo de contratação referentes ao Edital de seleção de Recursos Humanos nº 001/2018.

Veja abaixo a ata de resultado do processo seletivo de contratação de pessoas físicas em regime CLT para atendimento ao processo administrativo N.  6023.2017/00000416-8 junto à Secretaria Municipal de Inovação e Tecnologia (SMIT) da Prefeitura Municipal de São Paulo.

Resultados: https://goo.gl/1adeqi

A importância da fabricação digital

Depoimento de Ana Luisa Martins sobre sua experiência com a rede Fab Lab LIVRE SP

Conheci o mundo da Fabricação Digital durante o começo do ano passado enquanto buscava um sistema construtivo para a edificação do meu TFG da faculdade, um abrigo emergencial, e quanto mais pesquisava sobre o assunto mais fascinada e interessada ficava.

Me aprofundei bastante na teoria das tecnologias CAD (Desenho Assistido por Computador) e CAM (Manufatura Auxiliada por Computador), que estão cada vez mais presentes não só na construção civil, mas em diversas áreas como design, indústria automobilística, naval, aeronáutica, entre outras. O computador revolucionou e mudou tudo, atualmente com a evolução das tecnologias, as máquinas controladas por computador, como a fresadora CNC, a máquina de corte a laser e a impressora 3D, que são as chamadas tecnologias CAM, se tornaram mais acessíveis financeiramente a faculdades e programas públicos como o Fab Lab LIVRE SP.

Encontrei a rede Fab Lab LIVRE SP por acaso enquanto procurava um local para realizar os protótipos do meu projeto, entrei no site, vi os cursos, fiz a inscrição para um, fui ao Fab Lab Penha, e após um curso acabei fazendo todos os outros que a unidade oferecia.

Os cursos do fab lab me ajudaram a realmente entender os conceitos que eu havia estudado apenas na teoria, e devido à possibilidade de realizar protótipos pude prever erros na arquitetura do abrigo que estava projetando, erros que eram possíveis de ver em um modelo físico, mas não em um digital.

Frequento os fab labs até hoje, mesmo após o término do meu trabalho, e já fui em outros da rede além da Penha como: Itaquera, Centro Cultural SP e Olido, que foram os mais acessíveis por estarem mais perto de estações de metrô e localizados na região centro-leste.

A proposta da rede Fab Lab LIVRE SP é revolucionária em vários aspectos, gosto principalmente do aspecto de serem locais para fabricação de ideias, lugares de estímulo ao conhecimento de tecnologias e ferramentas novas. Eu mesma nunca tinha tido contato com eletrônica ou placas de programação, mas vendo o arduino, os objetos feitos com ele, acabei me interessando, e por isso realizei os cursos sobre o mesmo e minha curiosidade só cresce em relação à área, pois consigo ver como ela pode se interligar com as outras tecnologias do fab lab e até mesmo fora. É esse mundo de possibilidades que se abre que faz as pessoas voltarem, elogiarem e trazerem suas próprias ideias e transformarem em projetos.

Outro aspecto importante da rede de fab labs é sua dispersão pela cidade de São Paulo, estando presente em todas as regiões, tornando o contato com eles possível e mais frequente. Ao contrário da maioria dos equipamentos públicos (museus, centros culturais, ..) que fica concentrada no centro, o que faz com que pessoas de zonas mais afastadas não consigam ter acesso, devido à falta de tempo, ou conhecimento do que são determinados equipamentos, o que fazem, etc.

Sequência de 3 fotos que mostram uma mini jardineira em formato de bubassauro na cor laranja. A foto do meio mostra a impressora 3D imprimindo o bubassauro em plástico PLA. Sequência de 3 fotos que mostram um gaveteiro com duas gavetas feito em mdf e acrílico. A primeira foto mostra o gaveteiro fechado e as outras fotos mostram o gaveteiro aberto. Sequência de 3 fotos que mostram dois ângulos de visão do modelo de abrigo emergencial. O modelo é feito em mdf num formato retangular e com apoios para uma cobertura curva com suporte em madeira. A foto do meio mostra a máquina de corte a laser fazendo os cortes numa peça única de mdf. Sequência de três imagens dos quadros de acrílico preto em formato retangular. As fotos mostram os quadros com cartas de baralho no espaço interno. Cada um dos dois quadros encaixa no outro como peças de quebra-cabeça.

Nas imagens se encontram alguns dos projetos que fiz durante algumas oficinas e também por agendamento prévio, então, apesar de ter procurado o fab lab por uma questão acadêmica, depois de conhecer as máquinas desengavetei alguns outros projetos que não tinham relação com a faculdade.

Uma questão interessante que observei nos cursos que fiz foi a diversidade de pessoas que procuram os cursos dos fab labs. São pessoas de todas as idades e profissões, entretanto todas tem visões de como podem utilizar as máquinas para realizar algum projeto pessoal, ou quem vai só por curiosidade no final já pensa no que poderia realizar depois. Então, são ferramentas que estimulam a criatividade em diferentes níveis, desde a modelagem, até a escolha de material e montagem.

Adoro a possibilidade que a rede cria de compartilhar o que aprendi e continuo aprendendo sobre esse mundo da Fabricação Digital, e até inspirar outras pessoas para que se tornem entusiastas criativas, assim como eu acabei me tornando ao entrar em contato com as tecnologias presentes nos fab labs.

Ana Luisa Martins

Conheça nosso novo eBook introdutório: O que é Tecnologia Assistiva

O que é Tecnologia Assistiva?
Publicamos um novo eBook de nossa série introdutória. Este eBook reúne conceitos, aplicações, exemplos e referências. Assim, esperamos contribuir para a difusão desta área do conhecimento e para a garantia dos direitos humanos em uma sociedade mais inclusiva e acessível.

Veja o novo eBook

Capa do Ebook em que se lê O que é Tecnologia Assistiva - Introdução ITS BRASIL. Ao fundo há retângulos azuis e amarelos intercalados.
Preencha seus dados para receber o nosso eBook de Introdução à Tecnologia Assistiva!

E visite nossa página sobre a Tecnologia Assistiva: http://itsbrasil.org.br/conheca/tecnologia-assistiva/

Relatório de Atividades de 2017

Convidamos você a conhecer nosso Relatório de Atividades de 2017!

Fazer os relatórios anuais é muito importante para nós, para melhorar nossa transparência e nossa comunicação e acessibilidade. Achamos que isso é fundamental para manter nosso relacionamento com todos que acompanham o Instituto e nossas atividades.

Neste relatório, apresentamos os resultados e realizações de 2017, nosso relatório contábil e nossas perspectivas para 2018.

É muito importante para nós compartilhar tudo isso!

Veja aqui: http://itsbrasil.org.br/quem-somos/relatorios-anuais-de-atividades/

EDITAL DE SELEÇÃO DE RECURSOS HUMANOS N.º 001/2018

Publicamos hoje, 30/05/2018, o Edital de seleção de Recursos Humanos nº 001/2018

Este Edital é referente à:

CONTRATAÇÃO DE PESSOAS FÍSICAS EM REGIME CLT – PARA ATENDIMENTO AO PROCESSO ADMINISTRATIVO Nº 6023.2017/00000416-8 – JUNTO À SECRETARIA MUNICIPAL DE INOVAÇÃO E TECNOLOGIA DA PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO PAULO.

Acesse aqui o edital completo: https://goo.gl/Bg9FRg

Diálogos Transformadores: Tecnologias Sociais – Soluções que mudam realidades.

No dia 23 de maio, acompanhamos o evento “Diálogos Transformadores”, atividade promovida pela Folha de São Paulo (Rede Folha de Empreendedorismo Social) e Fundação Ashoka. O evento foi patrocinado pelo Governo Federal do Brasil e Fundação Banco do Brasil. O evento discutiu as alternativas para a implementação e disseminação das tecnologias sociais no país e, em si, já foi uma forma de ampliar a visibilidade desta pauta.

Foram convidados para o evento representantes de projetos que desenvolveram Tecnologias Sociais como “casos inspiradores”. Foram chamados Júlia Carvalho, fundadora da ONG Fast Food da Política, Cláudia Vidigal, idealizadora do Instituto Fazendo História, e Hamilton da Silva, criador do Saladorama. Na mesa, três coordenadores de programas que atendem projetos de tecnologia e desenvolvimento social: Antonio Barbosa, coordenador da ASA (Articulação do Semiárido), Rogério Bressan Biruel, diretor-executivo de Desenvolvimento Social da Fundação Banco do Brasil, e Haroldo Machado Filho, assessor sênior do Pnud (Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento). E os debatedores Sonia da Costa, diretora de Políticas e Programas de Inclusão Social do Ministério da Ciência e da Tecnologia, e Roberto Rocha, representante do Movimento
dos Catadores.

O debate passou por rodadas em que os convidados discutiram como dar visibilidade às tecnologias sociais, incentivar sua reaplicação e expansão – tanto empoderando os coletivos e comunidades, quanto as organizações promotoras das tecnologias e com recursos para auxiliá-las, como por ações das instituições e governos. Alguns temas de debate foram: “Como dar escala às Tecnologias Sociais” e “Qual seria o papel do governo na tarefa de transferir tecnologias sociais às comunidades em situação vulnerável.”. Houve espaço também para questionamentos às organizações presentes e para a apresentação de projetos que visam a fortalecer a aplicação e disseminação das tecnologias sociais.

Com relação ao papel do governo na transferência de tecnologias sociais, Sônia Costa (MCTIC) apontou três elementos relevantes que cabem ao governo segundo visão de sua diretoria dentro do MCTIC: 1) Identificar de forma sistematizada as iniciativas de TS; 2) Fomentar as ações mapeadas, principalmente através de editais próprios e de parceiros (como CNPq, Finep e Banco do Brasil); e 3) Garantir para a população o acesso às TS. A terceira tarefa seria o maior dos desafios. Garantir acesso às TS significa ampliar seu debate em toda a sociedade e enfatizá-lo do ponto de vista dos Direitos Humanos, da Inclusão Socioprodutiva e do acesso à Ciência e Tecnologia.

O significado e conceito de tecnologia social foi um ponto central retomado no encontro também. Os convidados reforçaram o caráter de tecnologia feita com foco na construção de soluções de demandas sociais, feita com envolvimento das comunidades demandantes, através das trocas de saberes entre academia e formas de produção tradicionais e locais, com sistematização dos processos e resultados e abertas para compartilhamento livre e reaplicação. Antonio Barbosa, coordenador da ASA, também reforçou que essas tecnologias devem ser apoiadas para que rompam a fase de testes e passem à reaplicação e se consolidem como Políticas Públicas.

Haroldo Machado fez outro destaque na discussão, apontando a importância das TS para o desenvolvimento sustentável. De acordo com sua visão, os ODS representam um grande avanço na agenda defendida pelos atores envolvidos com a questão do desenvolvimento sustentável e as TS configuram como uma das principais ferramentas para sua realização.

O evento foi encerrado com o agradecimento dos participantes e enaltecimento da diversidade (de gênero, cor da pele, institucional e temática) entre os presentes, tanto entre os protagonistas como na plateia. Avaliamos que, certamente, ampliar os espaços de diálogo e debate sobre as tecnologias sociais é uma iniciativa que pode abrir caminho para estruturar ações necessárias para potencializar, viabilizar e apoiar as soluções populares para as demandas sociais.

O ITS BRASIL tem uma história totalmente ligada à construção do conceito e propostas de Tecnologias Sociais, entendidas como ferramentas para fortalecer as iniciativas de construção do conhecimento popular para intervenção e transformação da realidade. Inclusive o projeto Fast Food da Política teve seu desenvolvimento apoiado pela equipe da rede Fab Lab LIVRE SP – rede de laboratórios de fabricação digital da Prefeitura Municipal de São Paulo com gestão do ITS BRASIL.

Valorizamos esta iniciativa da Folha e acompanharemos novas iniciativas que tenham o propósito de impulsionar as Tecnologias Sociais e seu alcance, atividade fundamental a nosso ver. Como afirmamos em nosso Caderno de Debate: Tecnologia Social no Brasil no item “Por que falar de Tecnologia Social?”:

“Foi principalmente no diálogo com as entidades da sociedade civil organizada e na observação de seu modo de ação que nasceu a percepção da Tecnologia Social como um conceito que poderia definir práticas de intervenção social que se destacam pelo êxito na melhoria das condições de vida da população, construindo soluções participativas, estreitamente
ligadas às realidades locais onde são aplicadas.

“Nomear” estas práticas tornava-se, entre outras coisas, uma forma de dar visibilidade e disseminar soluções que, embora eficazes, muitas vezes ficavam “escondidas” nos espaços onde aconteciam.”

Que cada vez mais as tecnologias ganhem espaços nos debates, publicações e ações da Sociedade Civil e Instituições e repercutam na elaboração de Políticas Públicas!

Soluções em Tecnologia Assistiva

Caros,
Queremos compartilhar o evento coordenado pelo professor Alejandro Rafael Garcia Ramirez da Universidade do Vale de Itajai – UNIVALI e pela professora e pesquisadora do UK, Marion Ann Hersh, da Universidade de Glasgow.

O Workshop é resultado do histórico das pesquisas do projeto Bengala Eletrônica.

Vejam aqui o informativo e site de divulgação do evento:

Estão abertas as inscrições para o Workshop: “Accessible Infrastructures for the Mobility & Education of Blind People Workshop”, aprovado pelo Fundo Newton e também patrocinado pela FAPESC.

O mesmo é destinado a recém doutores (até 10 anos de formados) de Brasil e UK, mas também para profissionais que trabalhem com a deficiência visual e cujas funções não requeiram do título de doutor.

O evento será realizado em Florianópolis de 27 a 31 de Agosto. O Fundo Newton e a FAPESC cobrem os gastos de participação.

Na página e no formulário encontrarão maiores informações:

https://www.univali.br/eventos/computacao-engenharia-e-arquitetura/Paginas/evento2142.aspx

O recebimento dos formulários encerra no dia 20 de Junho.

Arduino Day SP 2018

O Arduino Day é celebrado há cinco anos no mundo todo para comemoração o Arduino e para reunir a comunidade de usuários, desenvolvedores e iniciantes para troca de informações e projetos realizados com a plataforma open-source.

O que é Arduino?

O Arduino foi criado com a ideia de democratizar o acesso das pessoas à tecnologia e facilitar sua inclusão em processos de aprendizado e criação em áreas da eletrônica e programação. No evento estiveram pressentes aprendendo e ensinando desde crianças a adultos sem limites de idade.

É um microcontrolador, fácil de programar e de aprender a usar, que pode servir para criar os mais diversos dispositivos eletrônicos, como robôs, e processos automatizados. Ele é facilmente apropriado e, por isso, muito utilizado na solução de demandas individuais e coletivas.

O Arduino Day SP

No dia 12 de maio a rede Fab Lab LIVRE SP realizou oficinas temáticas de Arduino nos 12 laboratórios e um evento central para o Arduino Day SP de 2018. O Evento foi organizado pela Secretaria Municipal de Inovação e Tecnologia de São Paulo com o apoio do ITS BRASIL e da Praça das Artes e em parceria com Embarcados, Fazedores, Garoa Hacker Club, Laboratório Hacker de Campinas, Mamute Eletrônica e Duplo J.

O evento, assim como as oficinas e atividades desenvolvidas nos laboratórios da rede Fab Lab LIVRE SP, é uma ação para disseminação de tecnologias; para democratizar o acesso às novas tecnologias de fabricação digital, disponibilizando à população ferramentas tecnológicas de última geração. Este também é o fundamento do Arduino: permitir que as pessoas sejam protagonistas de seus próprios processos de aprendizado e criação e da resolução de seus problemas.

A programação central contou com palestras, oficinas, coletivos makers e show, conforme segue abaixo:

13h30 – Abertura
Com Manuel Lemos – Fazedores

14h – Inovação e Políticas Públicas
Com Daniel Annenberg (Secretário Municipal de Inovação e tecnologia e Irma Passoni (Diretora ITS Brasil)

15h – Uso profissional do Arduino – Com André Guerreiro – Duplo J

16h Tecnologia Assistiva com uso de arduino – Com Samanta Lopes – Arduladies

17h – Arduino e Jogos com Mauricio Jabour – Mau Maker

18h – Show com a banda Laikabot

Workshops

10h – Escovando Bits com Bruno Aricó – Hardware Livre da USP

10h – Faça sua Franzininho com Emerson Muniz – Mamute Eletrônica

10h – Lab aberto com Arduino – Mau Maker

 

Lançamento do Selo de Acessibilidade da SMPED em São Paulo

Selo de Acessibilidade Digital

Acompanhamos na tarde do dia 17 de maio, o lançamento do Selo de Acessibilidade Digital da Secretaria Municipal da Pessoa com Deficiência de São Paulo. A criação desta certificação é um passo importante para dar visibilidade à pauta da acessibilidade e aos direitos das pessoas com deficiência.

As medidas de acessibilidade digital são responsáveis por garantir o acesso igualitário à internet, à informação, ao conhecimento e a promoção dos direitos das pessoas com deficiência, que devem poder utilizar os recursos disponíveis com autonomia. Nós fizemos um infográfico sobre a Acessibilidade Digital e compartilhamos em nosso blog aqui.

O evento

Estiveram à mesa do evento o secretário da SMPED, Cid Torquatto, o prefeito de São Paulo, Bruno Covas, o presidente da OAB de São Paulo, Marcos da Costa, a secretária adjunta da SMIT, Marianna Sampaio, entre outros representantes do poder público da esfera municipal e da federal.

Fizeram falas vários representantes de empresas, do comércio eletrônico e de organizações sem fins lucrativos que promovem a acessibilidade digital. Todos os presentes, desde o setor público, o setor empresarial e o terceiro setor assumiram o compromisso de atender às demandas de acessibilidade e auxiliar na divulgação desta pauta tão importante.

O Selo, portanto, auxilia na promoção da pauta da acessibilidade digital, vindo a consolidar o direito previsto em lei. Será uma certificação contínua, iniciada a pedido da instituição com posse do site e feita pela equipe da Comissão Permanente de Acessibilidade. O Selo é passível de ser retirado se a acessibilidade não for garantida de maneira permanente. Para isso, haverá confirmação recorrente por meio de uma verificação automatizada dos sites cadastrados no sistema e também a possibilidade de denúncia por parte dos usuários do site.

De acordo com a divulgação da SMPED:

“A avaliação seguirá os critérios estabelecidos no Modelo de Acessibilidade em Governo Eletrônico (eMAG) e as diretrizes de verificação previstas na Portaria nº 08/SMPED-GAB/2018, que regula o Selo de Acessibilidade Digital.

A solicitação do Selo poderá ser realizada pelo Portal 156 ou pelo site da SMPED, com encaminhamento de documentos pelo e-mail acessibilidadedigital@prefeitura.sp.gov.br.

Após o requerimento, a Divisão de Acessibilidade Digital e Comunicação Inclusiva (DADCI) emitirá Relatório Técnico de Avaliação da Acessibilidade e submeterá à apreciação, para concessão do Selo, da Comissão Permanente de Acessibilidade (CPA), órgão vinculado à SMPED.”

Veja a divulgação oficial da SMPED: http://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/pessoa_com_deficiencia/noticias/?p=256166