Imagem quadrada com fotos de tela da palestra on line. À esquerda, Marcos Botelho, na direita supeior, Vilma Roberto e embaixo, Vanessa Maroni

Sensibilização com a Compre Bem Supermercados

No dia 19 de novembro, Vilma Roberto e Marcos Botelho do ITS BRASIL realizaram uma palestra de sensibilização sobre a Metodologia do Emprego Apoiado para a equipe de Recursos Humanos da Compre Bem Supermercados.

O evento, que contou com 27 participantes. foi mediado pela Vanessa Maroni, responsável pela Gestão de Pessoas na rede de supermercados.

Meu Emprego Trabalho Inclusivo

O ITS BRASIL atua com sua equipe técnica de Emprego Apoiado, por meio das ações do Polo de Empregabilidade Inclusivo (PEI) Centro/Boa Vista, que integra o Programa Meu Emprego Trabalho Inclusivo do Governo do Estado de São Paulo.

Vilma falou sobre a Metodologia do Emprego Apoiado que tem por objetivo a retenção e inserção de pessoas com deficiência no mercado de trabalho. Hoje, o ITS BRASIL atua com esta metodologia no PEI Centro/Boa Vista, uma política pública sem custo para as empresas.

Equiparação das condições de trabalho

Relatando a própria experiência de vida, Vilma apresentou-se como pessoa com deficiência visual. Ela explicou que trabalha em um computador como qualquer outra pessoa sem deficiência. A diferença é que utiliza um programa de leitor de tela para realizar suas tarefas no trabalho.

O leitor de tela é uma tecnologia assistiva que possibilita a equiparação de condições, garantindo que uma pessoa cega realize as mesmas tarefas que uma pessoa sem deficiência realizaria no computador.

Cerca de ¼ da população brasileira, de acordo com o censo de 2010, apresenta algum tipo de deficiência. Para Vilma, essas pessoas precisam estar presentes ativamente na sociedade para poderem ser ouvidas, falarem sobre suas necessidades, e derrubarem as principais barreiras enfrentadas. A principal barreira apontada por Vilma é o preconceito contra a pessoa com deficiência.

Autonomia e independência

“As pessoas com deficiência querem ser cobradas e ter responsabilidades como qualquer outro profissional sem deficiência.” – Marcos Botelho

À primeira vista, pode-se pensar que a Metodologia do Emprego Apoiado é um método superprotetor para as pessoas com deficiência. Contudo, na realidade ele visa garantir a total autonomia e independência dessas pessoas.

De acordo com Vilma, em projetos anteriores do ITS BRASIL com a aplicação da Metodologia de Emprego Apoiado, a retenção foi de 70% desses profissionais em seus postos de trabalho.

Isso se deve a um conjunto de ações, que começam com as indicações que são feitas com base na potencialidade dos profissionais com deficiência.

Emprego Apoiado, metodologia e resultados

Na sequência, Marcos apresentou o processo de atendimento à pessoa com deficiência, que inicia com o levantamento de perfil.

Neste momento, o Técnico de Emprego Apoiado (TEA), em uma conversa de pelo menos 40 minutos com o candidato com deficiência. O TEA busca entender quais foram as experiências de trabalho do candidato, o que ele mais gosta de fazer e com que tipo de trabalho se identifica mais.

Para Marcos, o fato de indicar pessoas que se identifiquem com as tarefas no trabalho também contribui para manter um elevado índice de retenção nas vagas de emprego.

Sobre as etapas seguintes do atendimento, Marcos explicou que os TEA’s acompanham de forma presencial a pessoa com deficiência no posto de trabalho (conforme for possível e necessário, por conta da pandemia). Adotam estratégias junto aos Recursos Humanos e à liderança da empresa, de acordo com as demandas de cada caso.

Encerrando a palestra, Vanessa relatou o impacto positivo para as empresas de ações como a palestra que traz a conscientização sobre o tema para as equipes.

Confirmou também a elevada qualidade dos candidatos indicados por meio da Metodologia do Emprego Apoiado, que na maioria das vezes resultam em aprovação e retenção nas vagas.

Após a palestra, foi aberto o momento para perguntas. Confira:

Vanessa: Quais são as regiões atendidas pelo PEI Centro?

Marcos: As regiões de atendimento são a cidade de São Paulo e região metropolitana.

Vanessa: Como funciona o acompanhamento do Emprego Apoiado?

Marcos: A empresa envia as vagas disponíveis e o PEI encaminha os currículos dos perfis compatíveis com as vagas da empresa.

Caso o candidato não seja aprovado, buscamos com a empresa um feedback para que possamos orientar o candidato para uma próxima entrevista.

Se o candidato for aprovado, o RH entra em contato com o PEI e então nossos técnicos de Emprego Apoiado, havendo a necessidade, poderão mediar os diálogos e acompanhar processos.

Como por exemplo, o treinamento do contratado e organização da documentação para a contratação. O acompanhamento antes da pandemia era essencialmente presencial, mas hoje, devido às medidas de isolamento social, também ocorrem remotamente.

Vanessa: Existe algum material de conscientização para lideranças nas empresas sobre a inclusão da pessoa com deficiência no mercado de trabalho?

Marcos:  No momento não temos um material. Mas palestras de sensibilização como esta são uma ferramenta importante para trabalhar a conscientização das equipes e das lideranças. Podemos verificar a possibilidade de fazermos algo nesse sentido.

Vanessa: Qual é o tempo de espera a partir da apresentação da vaga até a indicação do PEI? 

Marcos:  Isso pode ser combinado com a empresa. Recebemos dela uma breve descrição da vaga e o prazo de recebimento de currículos.

Priscila: Vocês fazem esse acompanhamento apenas com candidatos indicados pelo PEI ou também com colaboradores já contratados pela empresa?

Marcos:  Como iniciamos nossas atividades do PEI Centro em janeiro de 2020, então podemos apoiar pessoas contratadas a partir de janeiro. Ressaltamos que um apoio só é possível se a pessoa com deficiência considerar que precisa de apoio.

Renata: Na prática esse apoio do técnico é só quando necessário e remoto ou vem alguém na loja para ajudar?

Marcos: Devido á pandemia, estamos realizando mais o atendimento remoto, mas quando necessário atendemos presencialmente. E a necessidade parte das demandas da empresa ou da pessoa com deficiência. Ficamos sempre à disposição, seja por telefone, e-mail ou vídeo chamada, reforçando a comunicação entre as partes.

Shirlei: Qual a melhor forma de abordar sobre a deficiência do candidato com deficiência em uma entrevista?

Marcos: A melhor forma não existe porque isso vai depender de cada pessoa e de cada situação. Às vezes a pessoa já está habituada à deficiência, ou então ela pode ter sido adquirida recentemente e ainda é um assunto sensível. Se for necessário abordar, é melhor fazer perguntas bastante abertas, que permitam que a pessoa se expresse sem o viés da limitação. Por exemplo, “você consegue fazer isso?”, “você precisa de ajuda?” ou “como eu posso ajudar você?”. 

Veja também:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *